terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Lampejos

No vidro da janela, a chuva trombeteira alardeava que o Sol, indevassável, não se pronunciaria.

Levantei. Espreguicei.

Apanhei o copo d'água no criado mudo.

Sorrindo, atirei-o contra a parede: a festa do absurdo acabara de me convidar.

Burilando punhais, entre pocilgas e porões, eu também deveria dançar. Na ponta dos pés.

Trajei-me com a nudez dos sentidos. Na boca, saliva ardilosa. Língua indecorosa. Lanho.

Maquiagens do invisível sinalizavam as insídias. Eu também deveria maquiar. A ponta dos narizes moribundos. Vagabundos. Imundos. Em seus mundos.

Lânguida harmonia, sob volúpias de olhos grotescos.

Pois a festa do absurdo, esguelha e fastuosa, estava só por recomeçar.





8 comentários:

  1. Oooooooooooooooooooooooooh, my!

    Olhos gozam!

    ResponderExcluir
  2. Cada vez que acordamos neste plano tridimensional, estamos de volta ao mundo irreal; este mundo que é uma antitese ao plano superior de onde realmente pertencemos; plano superior os quais visitamos enquanto o veículo carnal descansa de sua jornada neste mundo irreal.

    Parabéns por mais este belo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas uma antítese necessária. Ainda precisamos das festas de absurdo para caminharmos. Do contrário, vivemos a inércia do "se for melhor, estraga".

      Agradecida demais pela visita e pelo comentário! :)

      Abraço grande!

      Excluir
    2. De fato, necessária.

      Somos alunos desta escola, e, tais como, ainda temos muito o que fazer para merecermos "passar de ano".

      E, para passar de ano, é necessário parafrasear aquela música de Roberto Carlos, famosa no arranjo dos Titãs: "É preciso saber viver".

      Grande abraço!

      Excluir
    3. Exatamente.... Essa é justamente a saga humanoide rss!

      Abração

      Excluir
    4. Saga, caminhada. Aventuras e desventuras de uma experiência carnal. Tudo isso para que, no final das contas, possamos parafrasear o grande Almir Sater em sua obra prima, Tocando em Frente:

      "Ando devagar porque já tive pressa
      e levo esse sorriso, porque já chorei demais
      Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
      eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei, eu nada sei."

      Um grande abraço, e parabéns pelo blog.

      Excluir
    5. É isso mesmo...

      Muito obrigada!

      Abraço grande também!

      Excluir